quarta-feira, 27 de maio de 2009

Viagem ao Porto - Videos

A pedido do João, aqui ficam 3 vídeos desta viagem. video
Este primeiro vídeo, é a do Barata a tocar recorrendo depois ao jogo de sinos. (não liguem às minhas gargalhadas, eu adorei o que o Filipe meteu!!

video

Vídeo do som da bombarda 32', da nota mais grave do órgão

video

Som das palhetas, e susto de nós todos que estavamos lá em cima. Neste vídeo vê-se também a altura das escadas!

Viagem ao Porto - Parte II

Continuando a história, após o almoço consegui o que realmente queria fazer para os colegas Portistas do Fórum Transportesemmovimento, fotografar STCP. Um tipo da zona da Carris a fotografar STCP

Aqui está o 1711 a fazer a 701, mas do Porto, não a da Carris...

Após alguma spottagem, chegamos à Igreja do Marquês, uma Igreja bem bonita por sinal. Nesta foto está o grupo todo, embora de traseira, só a Joana está de frente com a mão à frente da cara.. Mais abaixo verão uma situação onde ela não podia de todo tapar-se mais..

Eis uma foto do órgão desta Igreja, verdadeiramente chamada de Igreja de Nossa Senhora da Conceição, mas também conhecida como Igreja do Marquês. Não referi à pouco, mas o Órgão da Lapa tem 4 manuais e pedaleira, 64 registos incluindo um jogo de sinos, e cerca de 4500 tubos desde tubos de 15 metros (32') a tubos de 9mm. Tem dois registos de 32', um contra bordão 32 e uma Bombarda 32. Por sua vez, este órgão da Igreja do Marquês, é Francês, tem 3 manuais, pedaleira, 39 registos e dois pedais de expressão. Também tem um Contra Bordão 32' mas só uma Bombarda 16'. (Falo na Bombarda pois é um registo que eu gosto muito).

Aqui ficam as fotos de nós a tocarmos neste instrumento. (Como não me lembro da ordem, sei apenas que o André foi o último pois vim cá abaixo filma-lo, vai por ordem alfabética)

André e o Max Reger.

Ricardo Barata e o Bruhns acompanhado pelo Prof. Esteireiro.

A Beatriz e o Petr Eben (??) acompanhada pelo Prof. Esteireiro.
A Joana a tocar Bach (cara de poucos amigos não?)
O João agarrado também ao Bach (e ao órgão)

Ainda não tenho qualquer foto minha neste instrumento, não sei se alguém tirou..

Seja como for, foi altura de finalizar um dia cansativo, mas muito porreiro, com bons amigos por perto... Enfim.. Um dia fantástico a recordar por muito tempo onde não faltou a boa disposição, o humor, as piadas secas, a spottagem, a dor de barriga, e claro.. muito e muita boa música

No regresso, alguns dormiam.. (Apenas eu e a Beatriz não adormecemos,de resto foi uma razia desde André a João, passando por Joana Barata e prof. Esteireiro) (É aqui que digo que a Joana teria uma situação onde não se poderia defender, tal como o André :):) (embora a Joana mesmo assim tivesse um grande bocado tapada...)

Para finalizar, um obrigado à Beatriz que me aturou na viagem de regresso, e que foi uma óptima companhia, uma colega que pouco conhecia mas que também é mais uma grande pessoa.. Irmandade do tubo diz tudo...




Viagem ao Porto - Parte I

Na Sexta-Feira passada, como já disse, a classe de órgão do I.G.L., liderada pelo prof. António Esteireiro foi ao Porto, com o objectivo de ver o órgão da Lapa, maior órgão activo de Portugal, e o órgão da Igreja do Marquês. Entre os alunos, estava eu, o André, o João, a Beatriz, a Joana, o Barata e a Isabel, aluna da ESML. Infelizmente nem o Miguel nem o Daniel estiveram connosco, mas todos nós estivemos com eles.

A viagem começou no IC com um contratempo (além da dor de barriga que me acompanhou e fez visitar várias casas de banho na viagem)... O nosso bilhete estava errado.. Era para o comboio das 9.30 e nós estavamos no das 7.30... Medo!! Conversa com o revisor e tudo se resolveu.
Aqui uma foto da viagem no InterCidades, com o Barata e a Beatriz.

Chegamos a Porto Campanhã por volta das 11 da manhã. Eu aproveitei para tirar algumas fotos aos CP 3400 e a uma CP 0600 que estavam na estação, e avançamos para o Metro do Porto, onde comprei o "Andante", à semelhança dos nossos colegas. (Ainda experimentei o Lisboa Viva mas não dizia nada)

Fomos de Metro ate à Lapa, aqui mais uma spottagem minha ao Metro do Porto, coisa que não tenho muitas vezes hipótese de spottar, e fomos andando até à Lapa onde comemos qualquer coisa. Aqui na foto vê-se novamente o Barata, rumo à Lapa.


Aqui, a Joana e o André no café.
Na Lapa, tivemos uma palestra sobre o órgão com o professor Filipe Veríssimo, titular do Órgão da Lapa, e cada um tocou as suas peças. Eu o Langlais, o João tocou um Prelúdio de Bach, a Joana tocou também Bach, o Barata Bruhns, o André Max Reger e a Bea tocou uma peça que não sei quem é o autor, mas diria que Petr Eben.

Aqui fica uma foto de cada um a tocar.

Eu a tocar Langlais (ponho a minha foto primeiro pois fui o primeiro a tocar)
O João na sua interpretação

E o Barata, que deu um show a tocar uma peça com os sinos que o órgão tem!

Depois foi a vez da Beatriz tocar. Ela nunca tinha tocado num bicho tão grande... Bem.. nem ela nem nós.. O maior, e falo por mim, e penso que a maioria de nós, era até esta data o órgão da Sé de Lisboa.

Aqui, um trio maravilha, o João, o Filipe Veríssimo e a Joana, a interpretar Bach.

Por último, o André a interpretar o Max Reger.

Findas as nossas interpretações, foi altura de subir ao órgão. Uma escada de 15 metros em que a menor falha poderia ser mortal, pois resultaria em queda livre. Esta escada, com 2 postos intermédios, dava acesso ao interior do instrumento, e permitia uma boa visão do interior do mesmo.

Aqui a escada de subida ou descida, com a Joana a descer. De notar que ela nem a meio está.

Aqui a Joana no que eu chamei de Piso 2, que ficava sensivelmente a meio da súbida, era o segundo patamar.

Aqui está a minha visão do local onde a Joana estava à pouco. Lá em baixo, estão a Beatriz o André e a Joana.


E após atingir o topo, encontrei lá o Filipe Veríssimo e o João ambos a fazer turismo. Se houvessem autocarros, era sem dúvida um óptimo local para Spottar aquele onde o João está. De notar também que nós 3 apanhamos um belo susto, pois os nossos colegas tocaram algo com palhetas que estão aqui no topo à minha esquerda, tendo eu feito um vídeo onde após esse estrondo o João comenta "wow, conseguiram-me atordoar" ao que o Filipe responde com um alto berro e grande sotaque tripeiro "JÁ CHUEGAAAAA" XD


E daqui seguiu-se o almoço, onde numa tasquinha, ou pequeno restaurante havia costoletas grelhadas, tripas, e coisas por aí. Atenção que a Joana está-se a lamber!

segunda-feira, 25 de maio de 2009

TVI

Pois foi... Este Domingo a celebração da Eucaristia transmitida pela TVI foi directamente da Igreja onde sou organista, a Igreja de São Vicente de Paulo, conhecida como Igreja da Serafina.

Mais prego menos prego, fiz o meu trabalho. Apareci algumas vezes na televisão, e o meu nome surgiu por duas vezes em rodapé, o que é uma honra.

Só me falta aparecer na RTP pois já apareci agora na TVI e quando era miudo participei no "Jogo do 24" no Buerere da SIC

Esta missa teve um momento particularmente stressante para mim, visto que enquanto tocava o salmo, o camaraman aproximou-se de mim para me filmar a tocar de um plano diferente e tocou com a camara no teclado, na zona aguda. A sorte é que carregou no Ré quando eu fazia acorde de Sol, reforçando assim a 5ª deste acorde.
Na Sexta passada fui ao Porto com a classe de Órgão para experimentar os órgãos da Lapa e do Marquês, em breve postarei uma reportagem dessa viagem.

Sábado fui acompanhar o coro do Instituto de Meteorologia, onde trabalha o meu paizito, foi uma experiência muito engraçada, com um coro que sendo amador, dignifica muito bem a música, coro esse que trabalha sob direcção do maestro Sérgio Peixoto e é acompanhado ao órgão pelo meu amigo e também maestro João Luís Ferreira que não pode estar presente, razão essa para eu ser contactado para este trabalho que adorei fazer...
Aqui ficam duas fotos que tirei à televisão quando cheguei a casa para mais tarde recordar:

A tocar a peça de entrada. De notar que foi um orgulho ver que, tirando o acolhimento feito por um membro da comunidade, fui eu a primeira pessoa a entrar em directo na transmissão.. Que honra!!

Foi na sequência desta imagem que o rapaz da camara me tocou no Ré do I manual

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Órgão da Igreja de São Luís dos Franceses

Hoje viro-me para a secção organística.
Como me ligaram a pedir para tocar uma missa na Igreja de São Luís dos Franceses, fui ontem ver o órgão. É um instrumento Cavaille-Coll com um som fantástico, muito por culpa da acústica da própria Igreja que é, segundo as palavras do Padre de lá, "c'est completement extraordinaire".

Tem dois manuais, pedaleira (sem registos independentes, apenas trabalha acoplando aos manuais). Visto ter sido restaurado à pouco tempo tem um som muito brilhante e um registo de Trompete 8' muito poderoso. Experimentei tocar o início do Langlais que apresentei na Sé, e o resultado foi fantástico tal como o prof. Esteireiro o disse para fazer.

Aqui ficam as fotos:

O instrumento está colocado lateralmente por detrás do Altar.

Pormenor dos manuais e da Pedaleira, registos e acoplamentos.
Digo ainda que se o Nuno Carmona ou o Nuno Mimoso entenderem, as fotografias podem figurar nos respectivos sites, desde que com os créditos necessários.
Cumprimentos a todos

domingo, 3 de maio de 2009

Coro Solemnis

Como hoje fiz mais um concerto com o Solemnis, (em Almada, um encontro de coros dedicado a S. Paulo, que gostei muito de participar e assistir) pesquisei na net algumas fotos deste grupo. Assim, já vos tinha apresentado o Vox Canonica, após a pesquisa na net, encontrei fotos de um concerto que o Solemnis deu em Évora, no Convento dos Remédios, numa Oficina de Canto Gregoriano organizada pelo Eborae Musica e pela professora e amiga Idalete Giga.
Aqui fica o resumo do nosso coro:
.
.
"Constituído por elementos com larga experiência na arte do Canto Gregoriano, quer na sua vertente musical, quer na língua latina que o enforma, o Coro Solemnis tem por objectivo a divulgação do canto litúrgico por excelência, no seu estilo mais puro e o mais próximo possível do fim para que foi criado.
Fundado em 1997, o Coro Solemnis tem-se apresentado com regularidade na Igreja de Santo António, em Lisboa e tem acedido a variadíssimos convites, entre os quais da Universidade Católica de Lisboa, da Sé Patriarcal para as Catequeses Quaresmais e participou, na passagem do milénio, na celebração do Jubileu dos Artistas, no Mosteiro dos Jerónimos, além de, a convite da respectiva Embaixada, ter actuado no Dia da Santa Sé, durante a EXPO 98, momentos estes de especial significado espiritual e cultural.
O Coro Solemnis actuou, ao longo da sua existência, praticamente em todo o país, nomeadamente na Madeira, Fátima e Sesimbra, nas Jornadas de Música Sacra, em Lamego, Viseu, Évora, Setúbal, Almada, etc, a convite tanto de Entidades Oficiais, como de Igrejas, Associações e outras Entidades Privadas.
A responsabilidade artística tem estado, desde o seu início, a cargo de João Crisóstomo.
.
.
Assim, deixo também o currículo do maestro João Crisóstomo:
.
.
Desde muito jovem ligado a actividades de música coral, ingressou aos vinte e dois anos no Conservatório Nacional, onde concluiu o Curso Superior de Canto de Concerto.
Estudou Direcção Coral em 1961 e 1962 com Pierre Koelin e Michel Corboz e, mais tarde, na Escola Superior de Música de Lisboa, onde se licenciou.
Componente do Coro Gulbenkian durante cerca de trinta anos, foi, ao longo de quinze, um dos Assistentes de Direcção.
Foi professor, durante largos anos, nas classes de Formação Musical e Coro, na Escola de Música do Conservatório Nacional, de onde se aposentou em 2005.
Fundou e dirigiu o Coral Paz e Bem, de Oeiras, durante 25 anos e foi o responsável artístico, entre outros, do Coral Vértice e do Coro da Basílica da Estrela, de onde se formou o Coral Publia Hortênsia. Em 1995 foi co-fundador do Coro Solemnis, mais vocacionado para a execução do Canto Gregoriano, dirigindo também, desde 1996, o Grupo Coral do Centro Cultural e Desportivo dos Trabalhadores de Lisboa.
.
.
Para mim é uma honra estar neste grupo a dignificar o Canto Gregoriano, e estar rodeado de autênticos monstros da música portuguesa, visto a maior parte dos meu colegas serem ou terem sido efectivos do Coro Gulbenkian
A este grupo pertencem também os meus colegas e amigos do Vox, Sancho, André e (maestro) João Luís Ferreira. Pertencem também o Manuel Matos, José Luis Matos, o Manuel Carvalho, o Padre Fernando Camelo (pároco de S. Domingos de Benfica), o Araújo, o Duarte, o Nuno, o Mendonça, o João Pereira e claro, o maestro João Crisóstomo. e penso que não falta mais ninguém nesta lista..
Deixo-vos então as fotos:
Em plena acção (o Fernando, eu, o João Crisóstomo, o Araújo e o João Pereira)
O trio de solistas (Falta o Nuno) (Sancho, Duarte e João Luis, mais o Fernando que também dá uma perninha nos solistas) (chamados de scholla)

Outra foto comigo, com o Araújo, o Crisóstomo e o J. Pereira

O J. Pereira, o Mendonça, o Manuel Carvalho, o José Luís e o Manuel Matos
O meu maestro do Vox e acima de tudo, meu amigo, João Luís Ferreira (o barbas), tendo o tenor Duarte ao seu lado esquerdo
Um aspecto geral do coro Solemnis. Da Esquerda para a direita, Sancho, Duarte, João Luís, Fernando, Eu, Araújo, J. Crisóstomo (de costas), J. Pereira (tapado), Mendonça, Manuel Carvalho, José Luís e o Manuel Matos
Ficaram feitas as apresentações.
Até à próxima.